Patrocínio

Patrocínio

quarta-feira, agosto 31

A hora da verdade de Dilma Rousseff chegou

A Presidente defendeu-se segunda numa Sessão avançou pela noite
Brasília, quarta-Feira 31 de Agosto de 2016. Um dia em que será definido o futuro do Brasil, não apenas da Presidente Dilma Vana Rousseff. Daqui a pouco, às 11:00h, o Senado Federal coloca um ponto final no Processo de Impeachment, que em todo o seu curso, desde a denúncia, já dura quase 9 meses, curiosamente o tempo de uma gestação.

Os 81 Senadores decidirão se interrompem ou não o segundo mandato da primeira mulher a tornar-se Presidente do Brasil ( eu odeio o termo ENTA, porque além de soar mal para mim não é adequado ). Eles precisam decidir se, na prática, vale a pena trazer de volta uma Governante desgastada, sem apoio popular, parlamentar e nem de setores do próprio partido. Precisam decidir se os crimes de responsabilidade apontados - para mim, de forma inequívoca - são suficientes para ir contra o que decidiu o povo menos de 2 anos atrás.

Dilma Rousseff precisa de 28 votos, mas as contas mais otimistas apontam que ela conta com o voto de 21 Senadores. Até os mais ferrenhos defensores admitem a derrota e esperam por um milagre. Cabular votos tornou-se algo complicado demais, ainda mais sem o poder da caneta, que já não surtira efeito na Câmara dos Deputados e no próprio Senado, quando ela foi afastada.

Michel Temer, que até aqui faz um Governo pálido, aguarda ansiosamente para virar Presidente efetivo, ocupando o posto que o cargo para o qual foi eleito ( sim, ele teve os mesmos votos de Dilma, até porque vota-se na Chapa para quem não souber ) lhe garante. Será o melhor para o Brasil? Só o tempo dirá, mas eu não vejo o Senado no futuro cancelando a Sessão que começou ontem e terminará hoje por volta do meio dia, como disse Lindbergh Farias, citando que o Senado fez com o ocorrido em 64, quando o Senado cassou o Presidente João Goulart.

Não adianta mais, de ambos os lados, evocar o conjunto da obra. Agora é hora de pensar bem e escolher de acordo com as convicções de cada um. Contudo é de se pensar como, em menos de um quarto de século, estamos vivendo uma segunda ação de impeachment. De como chegamos a este ponto. E, suprema ironia, com o primeiro impeachmado votando no processo de outro Presidente. Coisas do Brasil. Assim como as jabuticabas.

domingo, agosto 28

Dilma Rousseff irá amanhã ao Senado em sua última tentativa de manter seu madato

Eleita em 2010, Dilma chegou a ter mais de 70% de aprovação...
mas foi afastada menos de 6 anos depois. O que deu errado?
Impopularidade. Algo que - em maior ou menor grau - todos os presidentes vivenciam em algum momento de seus mandatos. Mas pouquíssimos conseguiram o que Dilma Rousseff conseguiu: ir do máximo de popularidade na história para um dos mais baixos índices de todos os tempos. E ela fez isso entre o início de 2013 ( pico mais alto ) até o fim de Abril ( polo mais baixo ), antes de ser afastada pelo Processo de Impeachment, o mesmo do qual irá se defender amanhã no Senado.

Mas como deu-se isso, em tão pouco tempo? Vários são os fatores que levaram a essa situação, mas basicamente eu resumiria em apenas três:
  • Política Econômica - Desde 2008 que o Brasil abandonara o rigor fiscal, inicialmente de modo acertado para superar a crise mundial causada pelo caos nos EUA. Mas o remédio foi usado por tempo além do necessário. Isso, por si só, trouxe um desajuste das Contas Públicas que, no começo de 2011 já era bem evidente. Eleita, Dilma nada fez para corrigir o problema, pelo contrário: investiu em desonerações de poucos setores, diminuindo as receitas. Além disso manteve o crédito em alta via BNDES e Bancos Públicos, aumentando a dívida pública com juros altos e repassando para os Bancos com juros muito mais baixos;
  • Falta de tato político - Dilma é uma técnica, não política. Até quem a defende com unhas e dentes, sabe bem disso. Ela é dada a arroubos que cria descontentamentos. Além disso ela, inegavelmente, fez escolhas ruins para o Ministério. Colocar Aluizio Mercadante para negociar com o Congresso foi apenas uma delas. Além disso, ela herdou uma estrutura de apoios que só seria mantida com mais e mais cargos. Deu certo por um pouco tempo, mas era certo que um dia desmoronaria;
  • Operação Lava Jato - Até agora, Dilma não está diretamente ligada com a corrupção, mas existem várias investigações que poderão - eventualmente - até chegar a ela. Mas a Operação foi aos poucos minando a popularidade de Dilma. Quando o líder do Governo Delcício do Amaral foi preso, o golpe foi imenso. As prisões dos Tesoureiros e pessoas ligadas ao PT idem. A popularidade foi sendo dragada aos poucos.
Dilma Rousseff é a segunda Presidente a ser afastada, ao lado de Collor de Mello. Amanhã ela irá ao Senado para defender seu mandato, que para muitos já terminou quando foi afastadas. Segundo contas mais favoráveis, Dilma só deve ter 25 votos, de 28 necessários. Nas contas ruins, ela poderá ter apenas 20 votos.

A Sessão de amanhã no Senado Federal será histórica por diversos motivos, desde o fato de ser o primeiro presidente a fazer tal defesa ( Collor renunciou em 92 antes do fim do Processo, tentando manter os direitos políticos ), seja porque os olhos estarão voltados para o Senado. Claro que teremos perguntas crueis bem como as levantadas de bolas por parte de aliados.

Mas o fato de se chegar a este ponto dá uma ideia de como está ruim a nossa política. E de como precisamos melhorar para os próximos anos. Porque não é nada bom termos dois Presidentes perdendo mandato em menos de um quarto de século.

Meta do COB era ousada, mas o que mudou de verdade no Esporte Brasileiro? Parte 1

Cerimônia de Encerramento foi tão bela quanto a Abertura, talvez melhor...
Quando viramos Sede das Olimpíadas em 2009, o COB ( Comitê Olímpico Brasileiro ) montou um plano ousado: ficar - pela primeira vez na história - entre os 10 maiores ganhadores de medalhas. Com o apoio do Governo Federal, Estadual e fartas verbas da iniciativa privada, a ideia era fomentar modalidades onde o Brasil jamais subira no pódio ou que estava a muito tempo sem fazê-lo. Em suma, foi algo pensando em aparecer bem diante da torcida e do mundo. A questão é: deu certo?

Eu acredito que não. Primeiro porque poucas são as medalhas que podem ser atribuídas a esse "investimento". Vou listar todos as 19 medalhas e tecer alguns comentários sobre as mesmas:
  • Judô, 1 Ouro ( Rafaela Silva ) e 2 Bronzes ( Rafael Silva e Mayra Aguiar )  - Rafaela Silva foi "descoberta" por uma ONG que tem entre seus mantenedores o judoca Flávio Canto. Contudo, depois que passou a ser atleta de alto rendimento, passou para as mãos da CBJU, que tem financiamento a décadas e resultados também. Não acho que entre na conta das medalhas do financiamento iniciado em 2009. Os bronze de Baby e Mayra entram mais na conta do programa das Forças Armadas. Contudo o investimento tem permitido que os atletas dediquem-se só ao esporte e possam competir o ano inteiro nas grandes competições;
  • Boxe, 1 Ouro ( Robson Conceição categoria até 60kg )  - Terceira olimpíada dele. Precisa mais?
  • Futebol Masculino, Ouro - Acho que nem preciso comentar...;
  • Vólei Masculino, Ouro - Idem ao futebol...
  • Vela, 1 Ouro ( Martina Grael e Kahena Kunze 49fx ) - Conhece o sobrenome da primeira? Pois é, isso basta;
  • Atletismo, 1 Ouro ( Thiago Braz no Salto com vara ) - Aqui temos a única medalha de Ouro que pode ser atribuída a um trabalho do COB, pois ele conseguiu recursos para ser treinado por uma lenda do esporte. E o resultado apareceu. Convém lembrar que foi só ele a medalhar no atletismo;
  • Vólei de Praia, 1 Ouro ( Alison e Bruno ) e 1 Prata ( Barbara e Aghata ). Aqui não tem-se que falar em resultado do Plano, pois desde 1996 quando o Esporte virou parte dos Jogos, que o Brasil sempre consegue medalhas;
  • Tiro Esportivo, 1 Prata ( Felipe Wu Pistola de Ar 10 metros ) - Podemos dizer que o Brasil e suas políticas mais atrapalham do que ajuda. O estatuto do Desarmamento impede que jovens possam possuir armas e comprar quando se é adulto é muito complicado. Em todo caso, ele recebeu apoio e isso quebrou um jejum de quase 100 anos ( em 1920 o Brasil conquistou 3 medalhas, uma delas de Ouro com Guilherme Paraense. Militar como Wu é... );
  • Canoagem, 2 Pratas ( C1 1000 - Izaquias Queiroz e C2 1000 - Izaquias Queiroz e Erlon de Souza ) e 1 Bronze ( C1 200 - Izaquias Queiroz ) - Ok, investimento deu certo aqui. Não dá para negar. A Confederação de Canoagem soube usar as verbas e o resultado está ai. Outros atletas já conseguiram bons resultados e parece estar em curso uma equipe muito forte;
  • Ginástica Artística, 2 Pratas ( Arthur Zanetti nas argolas e Diego Hipólito no solo ) e 1 Bronze ( Arthur Mariano no solo ). A evolução do esporte vem acontecendo desde o fim dos anos 80, quando Luiza Parente foi a primeira sulamericana a participar de um final olímpica em Seoul 88. Depois vieram Daniela Hipólito, Daiane dos Santos... a evolução é visível e gradual. Conquistas 3 medalhas é feito que só Vela, Vólei e Judô já tinham conseguido antes para o Brasil.
  • Taekwondo, 1 Bronze ( Maicon Siqueira categoria acima dos 80kg ). Nem praticava o esporte a 3 anos. E não entra, com certeza, no plano de investimento. Ele nem era cotado para medalha e nem Bolsa Atleta recebia.
  • Natação, 1 Bronze ( Poliana Okamoto na Maratona Aquática ). Nem de longe pode ser considerada uma medalha da conta dos bilhões investidos. Ela conseguiu salva do total fiasco a Natação, que previa 4 medalhas.
Acho que resta claro, uma semana após o fim dos Jogos, que esse número  foi insuficiente, uma vez que estávamos dentro de casa o que por si só - historicamente - faz com o país sede aumente seu desempenho. Não foi o nosso caso. Esse aumento de 2 medalhas sobre Londres 2012 viria de qualquer maneira. Em suma, não aproveitamos o fator casa para brilhar.

Durante a semana faço uma análise mais crítica disso e como teremos que lidar com isso para 2020 e os outros jogos futuros.

quarta-feira, agosto 24

Além dos números da pesquisa divulgada no Blog do Magno Martins

Pesquisa gerou repercussões em todos os cantos da cidade...

Muitos, naturalmente, estão analisando a pesquisa do Blog do Magno, uns contentes e outros nem tanto. O que acontece que o mais importante na pesquisa nem sempre é o percentual de votos na estimulada. Existem outros dados mais importantes e eu destaco 2:

- Rejeição. Marcelo Sá tem um número alto ( 25,4% ) ante o seu adversário Clebel Cordeiro ( 9,7% ). Isso significa que terá muito mais dificuldades em conquistar o eleitorado indeciso ( 19,8% ) do que o seu adversário. Em tempo, Márcio Nemédio 21,1%, mas algo mais natural, uma vez que é Vereador de segunda mandato.
- Espontânea. Aqui Marcelo Sá também está atrás, com 15,7%, contra 26,6% de Clebel Cordeiro. Esse dado, juntamente com o anterior, são os maiores problemas que a campanha do ex-Secretário de Planejamento terá que enfrentar, pois indica que o candidato é pouco conhecido e ainda é o mais rejeitado. Cenário ruim para reversão. Márcio Nemédio recebeu 2% das intenções de votos, dando a entender que poucas pessoas sabem que ele seja candidato a Prefeito.

Estes números poderão ser comparados apenas com outra pesquisa feita por este mesmo instituto ( Opinião ), uma vez que as metodologias são diferentes entre as empresas de pesquisa.

segunda-feira, agosto 22

Terminam os jogos e fica a pergunta: valeu a pena?

Izaquias: o recordista de medalhas em uma única olimpíada
Thiago: o único recorde quebrado por um brasileiro. E que recorde!!!
Rafaela: primeiro ouro venceu tudo e a todos. Mais de uma vez diga-se.
Foram 7 anos de preparação ( uma para cada medalha de ouro conquistada? ).

Foram, ao menos, 40 bilhões de reais gastos para preparar o Rio de Janeiro para os Jogos.

Foram, ao menos, 4 bilhões investidos em diversos esportes para que o Brasil pudesse figurar entre os 10 primeiros doso jogos.

Tudo isso agora, a partir deste domingo, é passado. Muito se falará sobre um legado olímpico, muito será explicado e - com certeza - muita sujeira surgirá da festa lindíssima que fizemos. Assim como na Copa, dentro do evento tudo correu bem. Quer dizer, quase tudo: um câmera caiu, falhas em alguns locais de provas e da organização. Mas no geral, foi tudo bem.

O carioca comum começa a se perguntar o que será da Segurança, pois neste dias a Cidade Maravilhosa parecia uma cidade de primeiro mundo, com índices de violência assustadoramente baixos. Ficou o Metrô, o BRT, algumas conexões e um Parque Olímpico, que vai ser modificado e que, acreditem, possivelmente não formará novos atletas como poderia.

O Brasil fez sua melhor participação na história dos jogos. Seja por quantidade de esportes que subiram ao pódio ( 13, contra 9 de Londres 2012 e Atlanta 1996 ), no total de medalhas ( 19 contra as 17 de Londres 2012 ) ou na quantidade de medalhas de ouro ( 7 contra 5 de Atenas 2004 ). Mas ficamos distantes do Top 10, seja no total geral ou nos ouros. Falarei durante a semana sobre cada conquista e onde poderíamos ter conquistado mais medalhas.

Quanto ao bilhões, acho que fica claro que não surtiram o efeito esperado. A Baia de Guanabara permanece suja e o Brasil segue longe de ser uma potência olímpica. Mas que não se cortem os recursos, até porque o Brasil vem crescendo desde 1992, em Barcelona. Com dinheiro alguma melhora vem acontecendo. O que precisamos é investir melhor e ter mais transparência sobre estes gastos.

A festa foi linda, é inegável. Mas e agora? Pois é, essa vem a ser grande questão. 

sexta-feira, agosto 19

Caso Aeroporto mais tarde aqui no Blog. Não percam.

O Governador Paulo Câmara, PSB, anunciou que os Aeroportos de Serra Talhada e Garanhuns receberão verbas para serem adequadas para Voos comerciais. Já o de Salgueiro...

Mais tarde post sobre isso.

terça-feira, agosto 16

Thiago Braz faz história e conquista o Ouro no Salto com Vara

Ele desafiou o campeão olímpico e venceu!!!
Salto com Vara, Final Olímpica. Dizendo assim alguns leitores do Blog talvez até lembrem de Fabiana Murer. Mas o dia 15 de Agosto será lembrado como o dia em que um brasileiro de 22 anos desafiou o então campeão olímpico, mundial, recordista mundial e olímpico Renaud Lavillenie. O dia em que ele virou campeão e recordista olímpico. O dia em que este blogueiro chorou. E muito...

Ele não era um azarão por completo. Tinha marcas que o colocavam como candidato a medalha dos mortais, ou seja, a prata. Foi saltando, subindo as marcas e a medalha vinha se aproximando. De repente, ficou só ele e o francês. Ele já era prata, mas ai o rival saltou 5,98m, que já era recorde olímpico. Foi ai que veio o momento mágico: talvez tocado por Deus, ele resolveu subir a sarrafo para 6,03. 

Detalhe importante: o salto mais alto dele antes era de 5,92m, que ele já superara antes. O francês foi flagrado rindo, talvez perguntando "quem esse brasileiro pensa que é?". Ele logo saberia. Renaun errou os dois primeiros saltos na marca de 6,03m, e Thiago errou o primeiro. Mas ai... veio o milagre: ele superou - com sobras - a marca, batendo o recorde olímpico. O francês - atônito - teve que arriscar sua última tentativa para 6,08m. E errou. E o Engenhão veio abaixo.

Thiago consegue um lugar no panteão dos heróis nacionais. E um herói abusado. Que será para sempre lembrado. Por mim ao menos.

segunda-feira, agosto 15

Bolt é mais do que mito, ele agora é imortal!

Ele não é presunçoso e sim é espetacular e conhece o quão é melhor que os outros...
Edson Arantes do Nascimento é o único que conquistou 3 Copas como atleta. Feito que talvez nunca seja quebrado.

Usain Bolt tornou-se hoje o primeiro homem tri-campeão dos 100m rasos em Jogos Olímpicos. Feito que talvez nunca seja quebrado.

A comparação pode até parecer forçada, mas eu só consigo traçar paralelos entre Pelé e Bolt, não vejo outro que possa servir de exemplo para dimensionar o que aconteceu no Engenhão. O feito é impressionante porque apenas 3 atletas antes dele tinham conseguido vencer duas olimpíadas, um deles outra lenda foi Carl Lewis. 

O que mais impressiona, de verdade, é como ele vence. Ele deixa transparecer uma facilidade que beira o deboche, mas que na verdade é a extrema confiança que ele tem na sua própria capacidade. Ele chegou sobrando, batendo no peito e já comemorando. E ele agora tem 7 medalhas de ouro. Como comparativo, o Brasil tem pouco menos de 4 vezes esse número em toda a história.

Agora ele vai tentar outros 2 tri-campeonatos: nos 200m e no revezamento 4x100. Alguém duvida de que ele vai conseguir?

quinta-feira, agosto 11

Tiro, Luta e... nada mais?

Mariana Silva chegou perto, mas ficou sem medalha...

Todos sabiam que seria difícil cumprir a meta - audaciosa - de ficar no Top Ten desta Olimpíada em nossa casa. Mas existem algumas modalidades onde estamos muito abaixo do esperado, até mesmo se compararmos com Londres 2012, deixando de lado o objetivo do COB. O Judô até agora, por exemplo está abaixo do que fizera na Inglaterra: tem o ouro de Rafaela Silva e só. Eram esperadas, ao menos, 4 medalhas no total e restam apenas mais 4 chances. E tem alguns atletas com chaves quase que intransponíveis. Mariana Silva chegou na semi final, apenas a segunda entre 10 e perdeu duas vezes, deixando escapar um Bronze.

Na Natação outro acumulo de resultados insatisfatórios. Esperava-se que o Brasil já tivesse conquistado duas, mas não tem nem a primeira ainda. Nem mesmo Etiene Medeiros conseguiu nada, tendo passado bem longe de sequer chegar na final. O revezamento 4x100 ficou em sétimo e outros nadadores não conseguiram nem chegar entre os 16. Temos Thiago Pereira nos 200m medley ( quatro estilos ) e Bruno Fratus nos 50m livres como maiores chances. Etiene ainda tem os mesmos 50m livres para tentar a sua medalha.

Outras decepções vieram no Tênis, onde Marcelo Melo e Bruno Soares - cabeças de chave número 1 do torneio de duplas - perderam para uma desconhecida dupla da Romênia. Melo é o líder do ranking enquanto que Soares é um dos 10 melhores. 

Tivemos, contudo, resultados que mesmo sem medalhas são merecedores de crédito. É o caso de 3 representantes da Esgrima, que estiveram a uma vitória de uma medalha ou de Hugo Calderano, igualando o melhor resultado da história, conquista pela lenda Hugo Oyama. 

Teremos outros chances, sobretudo na Ginástica, Vela, Vólei, Futebol, Handeibol e, pasmem até mesmo no Pólo Aquático, onde batemos a campeã mundial Sérvia. Mas atingir o Top 10 está ficando bem complicado. A menos que alguns esportes com pouca chance de ouro façam o que parece impossível.

Até aqui, está mais pesadelo do que sonho alcançar a meta do COB.

segunda-feira, agosto 8

Rafaela Silva é a cara do Brasil. E por isso seu feito é espetacular

Momento em que ela foi desclassificada em 2012 e era consolada pela húngara...
e hoje ela é campeã olímpica!!!
Londres 2012. Uma jovem judoca vai vencendo, com facilidade, uma rival bem ranqueada e - na cabeça dela e de todos - uma medalha parecia bem próxima. Até que tentando finalizar a luta ela pega na perna da rival e é desclassificada. O mundo cai sobre sua cabeça e da pior maneira: com racismo e xingamentos, que ela jamais deveria ter passado por ouvir.

Rio 2016 - Num dia espetacular, ela derrotou todas as rivais por Waza-Ari: exorcizou todos os seus fantasmas diante da húngara Hevdig Karakas ( de quem perdera por desclassificação em Londres ), precisou do Golden Score contra judoca da Romênia Carina Caprioriu na semi-final e com muita categoria passou por cima da mongol Sumya Dorjsuren. 

Entre estes dois momentos distintos entre si está a primeira mulher campeã mundial ( e única atleta - homem ou mulher - nacional com os dois grandes títulos possíveis ). Mas Rafaela quase desistiu do esporte após os xingamentos a que foi submetida depois da desclassificação na capital inglesa. Agora ela poderia perfeitamente mandar um "chupa" para todos aqueles que lhe ofenderam, mas preferiu falar que superou tudo.

E como superou mesmo: saiu da Cidade de Deus para conquistar o mundo. Começou no Judô via um Projeto Social de uma ONG, mantida por um tal de Flávio Canto. Quem? Ele também medalhista olímpico e campeão mundial. A irmã mais velha, Raquel, foi a incentivadora mesmo com as broncas da mãe: "menina, sai dessa. Não vê como tua irmã chega toda machucada em casa"? Hoje elas estavam vendo Rafaela fazer história.

Aliás é prudente citar que Rafaela venceu na vida sem fazer-se de coitadinha. Por isso o título do post, pois ela realmente é a cara do Brasil: que luta contra as dificuldades que lhe são impostas todos os dias. Até mesmo das que outros brasileiros colocam no caminho.

Por isso Rafaela conseguiu um feito espetacular. Por isso ela tem que ser reverenciada. Por isso ela tem o meu respeito. 

sábado, agosto 6

Primeira medalha do Brasil na Rio 2016 carrega uma ironia fantástica

Guilherme Paraense em sua farda militar...
Felipe Wu com a Prata também é Militar
A primeira participação do Brasil em jogos completa 96 anos. Aconteceu em 1920 na Antuérpia, Bélgica. Naqueles jogos o Brasil conquistaria 3 medalhas, o que só voltaria a repetir na Cidade do México em 1968. Acontece que essas medalhas foram uma de cada cor, ou seja, uma de Ouro, uma de Prata e uma de Bronze. Todas na mesma modalidade: Tiro. E o mais incrível é que na primeira edição dos Jogos em nosso País venha exatamente do Tiro a primeira medalha. 

Essa é a ironia fantástica. Guilherme Paraense conquistou a primeira medalha do Brasil 96 anos atrás e Felipe Almeida Wu conseguiu a prata, a primeira nossa nesta edição. Quer mais ironia? Ambos são militares. Guilherme era - a época dos Jogos - Tenente e Felipe é Sargento das Forças Armadas. Além do Ouro de Guilherme, o Brasil ainda conseguiu uma por equipes e a Prata com Afrânio da Costa.

Felipe perdeu o Ouro na Pistola Livre de 10 metros no último tiro, quando o adversário vietnamita conseguiu um tiro praticamente perfeito. Ele tem apenas 24 anos e por isso tem um futuro pela frente. Ele ainda voltará a competir na Pistola Livre de 50 metros. Nossos heróis de quase 100 anos atrás ganharam companhia. E o Brasil consegue uma medalha onde não era cotado.

sexta-feira, agosto 5

Os cincos maiores momentos de brasileiros em jogos olímpicos

O que é um feito histórico? O que é eterno e jamais será esquecido, mesmo num país sem memória? O que brasileiros fizeram que fazem parte da História Global dos Jogos, não apenas de nosso país? Complicado resumir em apenas cinco, mas se fizesse maior, eu iria alargar demais a lista e tive que deixar feitos espetaculares de fora, alguns que nem conquistaram medalhas, como Maria Lenk que em 1936 em Los Angeles foi a primeira - atenção para esta informação - sulamericana a competir. Mas eu privilegiei fatos com medalhas. A ordem dos feitos está do maior para o que eu considero menor dentre os cincos escolhidos. Espero que gostem...

1 - Helsinque 1952 - Ademar Ferreira da Silva, Ouro no Salto Triplo.
Como explicar o quão fantástico foi este feito? Seria o mesmo que atualmente um brasileiro ganhar um prêmio Nobel, o Oscar de melhor ator, o mundial de esgrima... enfim, algo que de tão surreal choca o mundo. Pois foi isso que a foto acima representa para o mundo: um brasileiro saltando 16,22m ( recorde olímpico e mundial ) e derrotando um Soviético favorito e que era considerado imbatível. Mas existem outros feitos nesta foto: primeiro negro campeão olímpico sem ser representando os EUA, primeiro sulamericano campeão olímpico em prova individual e a primeira medalha dourada do Brasil desde 1920 em Antuérpia, quando Guilherme Paraensa conseguiu a primeira no Tiro. 

Da Silva é uma lenda na Finlândia e um quase desconhecido aqui. Aliás, se perguntarem por ele em frente ao Estádio Olímpico a pessoas com mais de 80 anos, tenho certeza que a taxa de que saberá quem ele é será maior do que aqui no Brasil. Em tempo, 4 anos depois ele se tornaria bi-campeão mundial em Melbourne ( a única antes do Brasil a ser disputada no Hemisfério Sul ). Participou ainda em Londres 1948 e em Roma 1960, onde foi ovacionado de pé por TODOS os que estavam no Estádio Olímpica da cidade eterna. Glória para muito poucos na história.


2 - Londres 1948 - Seleção de Basquete conquista um surpreendente Bronze
Todos sabem ( hummm, será se sabem mesmo? ) que o Basquete Masculino foi bi-campeão Mundial em 1959 e em 1963 - no Rio de Janeiro. Pois bem, essa é a fase dourada do esporte, mas porque o feito de 1948 aparece primeiro, se o time Amauri e Wlamir Marques também conseguiu bronze em 1960 ( Roma ) e 1964 ( Tóquio )? Simples: o ineditismo. Quem imaginaria naqueles tempos que fosse possível um time que nunca conseguira grandes feitos - fora vencer o Sulamericano - pudesse subir no pódio? E que por apenas um ponto não beliscou a prata? E que deixou o time dos EUA espantados com a qualidade do time? Acho que não precisa de mais nada, não é mesmo?

3 - Cidade do México 1968 - Bronze histórico, mas com roubo igualmente histórico
Reclamei do desconhecimento de Ademar Ferreira da Silva, mas o que dizer de Servílio de Oliveira? Quem, Flávio? Pois é, o sósia de Wilson Simonal ali na foto... quem? É, estou pegando pesado. Servílio foi, até os irmãos Falcão, o único medalhista do Boxe. E foi, descaradamente, roubado na luta contra o mexicano, que seria o campeão. Olhem a foto e notem que os outros 3 estão todos insatisfeitos. Claro que quem vence fica feliz, mas muitas vezes os outros também demonstram alguma alegria. Não é o caso aqui, pois o segundo colocado também foi roubado na cara dura. Servílio disse que até os EUA quiseram ajudar em um recurso, dado o exagero que fora feito contra ele. Por isso ele ficou com o terceiro posto.

4 - Los Angeles 1984 - O Candango que chocou o mundo...
Até 1984 o Brasil tinha 6 medalhas no Atletismo, um número alto - e até então o maior de qualquer esporte no Brasil. Mas só que tinha um problema: todas elas tinha vindo na mesma modalidade, o Salto Triplo. Os dois ouros do primeiro da lista ( Ademar ), uma prata e um bronze com Nelson Prudência ( 1968 no México e  em 1972 Munique respectivamente ) e as duas de bronze de João Carlos de Oliveira, o João do Pulo ( 1976 Montreal e 1980 Moscou ). Até que um brasiliense magro e alto conseguisse o alto do pódio na Terra do Tio Sam. Seu nome? Joaquim Cruz. Seu feito? Medalha de Ouro nos 800m rasos, deixando para trás Sebastian Coe ( prata em 1980 da mesma ) e Steve Hovet ( vencedor da prova em 1980 ). Foi também o primeiro Ouro do Brasil em provas individuais desde Ademar em 1956, em Melbourne ( duas duplas conquistaram Ouro na Vela em Moscou ). 

Ele virou um atleta de elite, ganhando destaque internacional e até hoje é considerado um dos melhores da história da prova. Ainda seria prata quatro anos depois, quando os africanos passariam a dominar a prova. 

5 - Atlanta 1996 - Enfim, as mulheres sobem no ponto mais alto
Hoje em dia não nos surpreende mais uma mulher ser considerada favorita ao Ouro, mas até 1996 isso era um Tabu. Até os Jogos na Terra da Coca-Cola, nenhuma brasileira conseguira destaque. Aliás, nem mesmo medalhar tinham conseguido ainda. Mas quando quebraram o Tabu foi no melhor estilo possível: com Ouro e Prata. Coube a Jacqueline Silva e Sandra Pires conquistarem o Ouro, com Adriana Samuel e Monica Rodrigues. Foi a primeira de até hoje 5 Ouros para as mulheres ( Vólei duas vezes, Maurem Maggi e Sarah Menezes ). Pelo ineditismo elas merecem o quinto posto. 

Menções Honrosas:

Tóquio 1964 - Aida dos Santos - Quem? Pois é, outra desconhecida com feito histórico. Ela foi quarta colocada nos Jogos de Tóquio - melhor resultado de uma mulher desde Maria Lenk em 1936 e que só seria superada 32 anos depois em Atlanta - ficando apenas 1 centímetro do pódio no Salto em Altura. Isso para uma negra, favelada, pobre e que nem técnico tinha. Tá bom ou quer mais?

Los Angeles 1984 - Ricardo Prado - A prata do então campeão mundial perde em importância para os outros citados por muito pouco. Talvez seja mais emblemático do que o feito de Servílio e/ou da dupla Jacque/Sandra, mas toda lista precisa cortar em algum lugar e eu cortei aqui.

Barcelona 1992 - Vólei Masculino - Complicado deixar eles de fora, com tudo o que representou aquela conquista, mas o Esporte era famoso na época, com direito à uma prata em 1984.

Seoul 1988 - Aurélio Miguel - Primeiro ouro do Judô ficar de fora ( eu um ex-praticante do Esporte ) me corta o coração, mas outra vez pesou o não ineditismo, pois o esporte tinha - a época - 4 medalhas em Olimpíadas.

Atlanta 1996 - Basquete Feminino - Feito histórico, sim. Mas era uma medalha esperada, pois o time era apenas o atual campeão mundial. Foi a despedida da Rainha Hortência.

Pequim 2008 - Vólei Feminino - Ouro de mulheres ficando de fora? Conto como esporte, por isso os homens tinham conseguido isso 16 anos antes e mesmo assim não entraram.

Pequim 2008 - Maurren Maggi - Saltadora merecia estar na Lista? Talvez, mas o feito de Jacque e Sandra veio primeiro.

Brasil nas Olimpíadas: Judô, Futebol, Ginástica e Vela com grandes chances de ouro

Ela pode repetir o feito de Londres...
O meu tempo tem sido cada vez mais exíguo e por isso fiquei devendo alguns textos sobre em quais esportes temos mais ou menos chances de medalhas. Por isso irei listar algumas modalidades que já começam a distribuir medalhas a partir deste sábado, algumas logo cedo.

Judô - Modalidade com maior número de medalhas no total para o Brasil, mas que vive um incomodo jejum: desde 1992 com Rogério Sampaio que nenhum homem consegue subir no ponto mais alto. Desde então, em todas as edições sempre tivemos boas participações, mas o ouro não veio. Em Londres quebramos a escrita da equipe como um todo, com o inédito Ouro de Sarah Menezes. A pequena piauiense tornou-se uma das melhores judocas do mundo e é favorita para o bi campeonato, inédito. Outros judocas tem boas chances, mas alguns pegaram chaves pesadas. A expectativa é de que entre os 14 atletas ( apenas França e Japão terão atletas em todas as 7 categorias ) consigamos um máximo de 6 medalhas.

Futebol - As meninas capitaneadas por Marta já foram mais favoritas e talvez tenham perdido o momento para serem campeãs. Agora vivem a última chance por causa de jogarem em casa. Devem conseguir chegar nas semifinais e a partir daí terão que se superar. Entre os homens o empate de ontem contra a frágil África do Sul deixa um enorme ponto de interrogação, mas o time tem qualidades para chegar a decisão. Que desta vez não termine - seria a quarta - em prata.

Ginástica Artística - Desde 2000, com Danielly Hipólito, que o Brasil vivia a expectativa de uma medalha. Depois veio Dayane dos Santos ( Athenas 2004 ), Diego Hipolito ( Pequim 2008 ) mas ela só viria com um atleta que chegara totalmente desconhecido aos jogos: Arthur Zanetti, nas Argolas e seu inesquecível ouro em Londres 2012. Agora temos, além do próprio Zanetti, Sérgio Sasaki, o interminável Diego Hipólito, Jade Barbosa, Flávia Saraiva e Rebeca Andrade podendo - com a série certa - conquistar medalhas. Zanetti é candidato ao Ouro e os outros podem, no máximo, beliscar um ou dois bronzes. Mesmo assim seria um feito espetacular.

Vela - Robert Scheidt é o Pelé da Vela. Não existe forma melhor de explicar para os leigos o que ele representa para o esporte. 10 vezes campeão mundial na Classe Laser, ele tenta voltar aos grandes dias, vividos nos anos 90 e início dos 2000. Não é favorito ao Ouro, mas sabem como é, ele é craque. Além dele temos a filha do multimedalhista Torben Grael ( e, lógico, sobrinha de Lars Grael ) Martine e sua colega Kahena Kunze são favoritas na Classe 49er. Elas foram campeãs mundiais em 2014 e eleitas as melhores de todo o esporte no mesmo ano. Não é pouco. Além disso, Martine pode se tornar a primeira filha de um medalhista a repetir o feito do pai. Ainda na briga temos Fernanda Oliveira ( bronze em 2008, a primeira de uma mulher na Vela ) e Ana Luiza Barbachan com boas chances na 470. Com chances menores, na Finn tem Jorge Zarif.

terça-feira, agosto 2

Ronda do Brasileirão: novo líder e campeonato embolado na ponta

Sport vai subindo, subindo...

O Campeonato deste ano tem uma característica diferente: o equilíbrio. Apenas 6 pontos separam o novo líder Corinthians do sétimo colocado, o Atlético-PR, que tem 27. Entre eles Santos e Palmeiras ( 32 ), Grêmio ( 31 ), Flamengo ( 30 ) e o outro Atlético ( 29 ). Na ponta de baixo da tabela, o mesmo acontece: 8 times separados pelos mesmos 6 pontos. O Sport com 21 é o 12º enquanto que o Cruzeiro ( 19º ) tem 15. Apenas o América-MG destoa, com apenas 9 pontos.

Subindo, subindo...

Pode ser cedo para grandes otimismos, mas o fato é que o Sport parece ter reagido de vez no campeonato. 3 vitórias seguidas é um feito e tanto e o futebol demonstrado tem melhorado consideravelmente. Ainda não está muito distante da Zona de Rebaixamento, mas ao menos o time tem certeza de que não voltará nesta rodada, caso perca e todos os outros vençam, por ter 3 pontos a frente do primeiro no Z4 ( Coritiba, mas que tem 4 vitórias, contra 6 do Leão ). Diego Souza tem decidido e outras vitórias são possíveis.

Descendo, descendo...

O Internacional chegou a liderar até com uma folga o campeonato, mas agora só perde. Ontem fez mais uma partida deplorável em casa e provocou a ira da torcida, que sem razão quebrou vidraças e portões do Beira-Rio. O time não é ruim mas não consegue jogar. E parece claro que Falcão não sabe com consertar o time.

Parar para que o Campeonato durante as Olimpíadas?

Pois é, não bastasse o fato de que diversos times perderam jogadores vitais por causa dos jogos, a CBF ainda marcou nada menos do que 5 jogos para a quinta-feira, dia em que a Seleção estreia nas Olimpíadas. Sendo assim os jogos perderão público, esvaziando ainda mais a competição, justamente no seu melhor momento da era dos pontos corridos. E daqui a 2 anos teremos um outro evento imprevisto criado recentemente. Qual? Uma tal de Copa do Mundo...

Santos pode ser campeão?

Não escondo de ninguém que sou santista acima de todas as coisas esportivas. Mas não tenho qualquer problema de falar sobre o time, que de fato está dando gosto de ver ( ou não ver, porque a Globo não passa partidas da equipe ). Com uma proposta atual, com talentos e muita garotada o time da Vila pode conquistar o campeonato que venceu pela última vez em 2004. Isso se sobreviver a um desmanche no meio do campeonato, é claro.

Flamengo com cara de campeão?

Reforçado e com opções de qualidade, o time da Gávea mede forças justamente com o Santos nesta quarta. Quem vencer ficará em excelente condições para alçar voo rumo a conquista. O que pesa para o time rubronegro é a inexperiência do treinador e o fato de jogar fora do seu estado. Mesmo que tenha torcida nacional, as viagens cobram seu preço. Por exemplo: ao invés de ficar descansando, no Rio, os atletas passam mais tempo em Aeroportos e Rodoviárias. Algo como o Salgueiro em 2011... Se conseguir superar essa dificuldade, é bom ficarem de olho no Urubu.

Brasil nas Olimpíadas: Nos Esportes Coletivos temos chances de medalhas, mas são muitas

Handball campeão mundial pode conquistar o Ouro...
Coletivo ou individual. Essas são as duas divisões do esporte olímpico. Ou tenta-se alcançar o Olimpo sozinho ou com um grupo. E o Brasil tem tudo para conseguir seu melhor resultado da história nos esportes coletivos. Abaixo listo, em ordem de chances, onde podemos sonhar ou apenas torcer por uma participação digna:
  • Handball Feminino - Segundo esporte mais praticado no Brasil nunca tinha conseguido destaque internacional até o fim dos anos 2000, quando um dinamarquês assumiu o comando do time feminino. Seu nome? Morten Soubak. Com ele no comando nossas meninas deram um salto desde 2009: chegaram às quartas dos mundiais de 20011 ( disputado no Brasil ) e 2015, além de terem alcançado a mesma fase nos Jogos de Londres 2012. Mas o grande feito veio em 2013: ganharam o Mundial derrotando diversos times tradicionais, batendo a fortíssima Sérvia. Por tudo isso elas tem sim chances de pódio, podendo ser o ponto mais alto, mas a concorrência é grande e podem, até mesmo, nem chegarem às semifinais;
  • Basquete Masculino - Outra uma potência Mundial ( figuramos na elite entre os Jogos de Londres em 1948 e os de Seoul 1988 ), o Brasil foi perdendo espaço, tendo ficado 16 anos fora dos jogos - 96 Atlanta e 2008 Pequim, só voltando na última edição em Londres. O time comandado pelo Argentino Rubem Magnano é bom, mas chega com desfalques de Thiago Splitter e Anderson Varejão. Dependerá do que fizer na fase de grupos para ter um caminho menos tortuoso até uma improvável final com o Dream Team;
  • Handball Masculino - Os rapazes vivem às costas das meninas, é fato. Mas nem sempre foi assim e eles sabem que precisam mostrar seu valor. Podem, com superação, brigar por um bronze. E isso já seria épico;
  • Basquete Feminino - 20 anos atrás, vivendo o canto do cisne Hortência e quase o de Magic Paula, elas deram show. Só foram batidas pelas donas da casa em Atlanta. Agora os sonhos - e a qualidade - são muito mais modestas. Primeiro porque os resultados recentes são desastrosos. Segundo porque a entressafra é enorme. E terceiro porque a desorganização na CBB é atroz. O time dependerá demais da superação para repetir o que conseguiu em Sidney: um bronze.
  • Polo Aquático - No masculino - com uma Torre de Babel nas águas - as chances são um pouco maiores, mas entre as mulheres, sem chances. Se tudo der certo - e quando digo tudo é TUDO mesmo - der certo, um suado bronze. Mas acho que nem a Federação acredita nisso.

Amanhã posto sobre Atletismo, Remo, Hipismo e Lutas.

segunda-feira, agosto 1

Com a chegada de Agosto, vem também o início da Campanha Eleitoral

Agora começa de vez a Campanha

Com a realização da Convenção da Frente Popular, ontem a tarde na ACS, os três candidatos que irão disputar o Cargo de Prefeito são agora oficiais: Clebel Cordeiro ( PMDB e com o apoio de outros 14 partidos ), Márcio Nemédio ( PR ) e Marcelo Sá ( PSB e outros 5 partidos ). Eles irão ter 45 dias de campanha entre os dias 15 deste mês e 29 de Setembro para convencer o eleitorado a votar neles em 02 de Outubro.

As eleições em Salgueiro tradicionalmente tem apenas 2 candidatos, com alguns pleitos fugindo deste padrão. Para remontar a tempos da Ditadura, a primeira eleição com vários candidatos foi a de 88, quando 5 candidatos competiram: Cornelito ( PFL e eleito ), Cleuza Pereira atual candidata a vice na chapa de Marcelo Sá, que era o vice dela ), Alvinho Patriota ( fora candidato em 82 e voltaria sê-lo 24 anos depois ), Zé Barbosa e Antônio Nelson. Depois vieram 3 eleições com apenas dois candidatos, até que em 2004 tivemos 5 outra vez ( Cleuza, Dr. Chico, Hercílio, Múcio e Socorro ). 

Em 2008 tivemos 3 candidatos, com o atual Prefeito Marcones Sá sendo eleito e derrotando Dr. Chico e Hercílio ( desta feita candidato pelo PT não mais pelo PTB como fora em 2004 ). E voltamos a normalidade em 2012, onde Marcones derrotou com facilidade Alvinho Patriota.

O fato é que desde muito tempo - tem-se que buscar no período do Coronel Veremundo Soares, que todos os Prefeitos foram eleitos apoiados por uma das duas famílias tradicionais de nossa cidades: Sá e Sampaio. E desde os anos 60 que só Cornélio Parente Muniz e Cleuza Pereira do Nascimento foram eleitos sem serem membros de uma das duas família. Neste pleito temos um Sá ( Carlos Marcelo Araújo e Sá ) versus dois candidatos que não ostentam Sá/Sampaio nos nomes: Clebel de Souza Cordeiro e Márcio Nemédio Nogueira Alves. Contudo, convém citar que Clebel tem o apoio maciço da Família Sampaio, enquanto que o ex-presidente da Câmara de Vereadores aposta em apoios diversos para chegar a Prefeitura.

Como disse o grande Júlio César em sua batalha mais famosa contra os Gauleses ( atuais franceses ): Alea Jacta Est. Ou em bom português: a sorte está lançada.