Patrocínio

Patrocínio

sábado, maio 31

Dia de baixas para a Copa do Mundo

Motolivo chora, ele soube na hora que perdera a Copa...
Luis Monte no momento da contusão...
Contusões perto do início da Copa do Mundo são, infelizmente, comuns. Neste sábado diversas seleções que estarão no Brasil, realizaram amistosos preparatórios. Em dois deles, aconteceu  o pior:
  • México x Equador: Aos 32' do primeiro tempo Luis Monte fez um golaço. Apenas 3  minutos seguinte... estava fora da Copa. A dividida foi forte e ele levou a pior. E o sonho acabou. Ele era o melhor em campo e tinha boas chances de ser titular. Exames pós-partida confirmaram fratura da tíbia e da fíbula. Coisa feia de se ver, com certeza;
  • Itália x Irlanda: Ricardo Montolivo era o capitão da equipe e também jogava bem. Ai uma dividida mais feia contra um irlandês e também teve quebrados a fíbula e a fíbia.
A Copa perde assim dois jogadores. Luiz Soares, destaque do Uruguai fez uma cirurgia e pode perder jogos. Cristiano Ronaldo já é dado com certo fora da estreia de Portugal, diante dos alemães. Manuel Neuer goleiro titular corre risco de corte. Já tem Falcão Garcia correndo contra o tempo para conseguir jogar a Copa.

A bruxa tá solta...

México 1970: A Jules Rimet é do Brasil...

Em pé: Capitão Carlos Alberto, Félix, Piaza, Brito, Clodoaldo, Everaldo e Schirol ( prep. físico ); Agachado: Mário Américo ( massag. ), Jairzinho, Gérson, Tostão, Pelé, Rivelino e Nocaute Jack ( massag ).
Quando lançada em 1930 a Taça destinada ao campeão da Copa do Mundo, depois batizada em nome do então presidente Jules Rimet, era de posse transitória, passando de campeão para campeão até que alguém fosse tri-campeão. Desde 1950 a Itália poderia conquistá-la em definitivo e a partir de 1954 que o Uruguai passou a buscar tal honraria. Na Inglaterra, o Brasil passou a ter tal direito. E as 3 seleções estariam no México e, caso um deles fosse campeão, a briga seria grande. As chance eram enormes de que Jules Rimet fosse para um delas.

Além disso, Alemães e Ingleses completavam a lista de campeões do mundo presentes na Copa. Com as ausências uruguaias e inglesas nas Copas seguintes, isso pouca vezes se repetiria. Tivemos contudo alguma ausências sentidas: França, Argentina e Espanha, futuras campeãs ficaram de fora. Os nossos maiores rivais perderam a vaga para o time do Peru, treinado por um mítico brasileiro: o Mestre Didi. As seleções presentes ( 16 ), assim estavam divididas por continentes:
  • América do Sul: Brasil, Uruguai e Peru;
  • América do Norte: México e El Salvador;
  • Europa: Itália, Inglaterra, Alemanha Ocidental, Romênia, Tchecoslováquia, Suécia, Bulgária, Bélgica e URSS;
  • Africa: Marrocos;
  • Ásia: Israel.
Sim amigo leitor, você leu direito: Israel jogou a Copa de 1970. Como o México era o país sede, outra nação do norte e centro da América pode, enfim, participar de uma Copa. E isso gerou uma guerra Honduras e El Salvador!. A FIFA decidiu dar uma vaga para os africanos, corrigindo uma injustiça, e o Marrocos foi o primeiro time do continente a participar e conseguir o primeiro ponto. Feito o sorteio, os grupos ficaram assim e foram decididos:
  • Grupo A: URSS, México ( classificados ), Bélgica e El Salvador. O fator casa fez o México passar de fase pela primeira vez. Empate na abertura com os soviéticos e duas vitória deram ao time o segundo lugar, perdendo o primeiro pela saldo de gols. Bélgica e El Salvador foram meros expectadores;
  • Grupo B: Itália, Uruguai ( classificados ), Suécia e Israel. A Itália queria apagar os problemas das 4 copas anteriores, quando foi eliminada na primeira fase em todas elas. Para o México eles chegavam com uma grande geração, que vencera a Eurocopa dois anos antes. Mas, para variar, o time sofreu para se classificar: venceu a Suécia na abertura por 1x0, mas empatou os outros 2 jogos por 0x0. Sorte é que Suécia e Uruguai também perderam pontos, e os italianos passaram em primeiro mesmo assim. O Uruguai só se classificou pelo saldo de gols.
  • Grupo C: Brasil, Inglaterra ( classificados ), Romênia e Tchecoslováquia. Primeiro grupo da história a ter dois campeões do mundo. Na primeira rodada o Brasil bateu os tchecos por 4x1 e os ingleses suplantaram os romenos ( 1x0 ). E veio uma das melhores partidas, vencida pelo Brasil, por 1x0, gol de Jair, em partida que teve aquela que é considerada a maior defesa de todas as copas, de Gordon Banks, em cabeçada quase perfeita de Pelé. O grupo estava decidido, e o Brasil relaxou contra o Romênia ( 3x2 ), enquanto que os ingleses ao menos passavam de fase, ao bater os tchecos ( 1x0 );
  • Grupo D: Alemanha Ocidental, Peru ( classificados ), Marrocos e Bulgária. Os alemães passaram sem sustos, mas a grande surpresa daquele Copa era mesmo o Peru de Téofilo Cubijas, Hector Chumpitaz e Alberto Farinós, que suplantou marroquinos e búlgaros, ficando em segundo.
Esta foi a primeira Copa transmitida via Satélite e a primeiro que os brasileiros puderam assistir ao vivo pela TV. Por conta dos interesses europeus, os horários foram os piores possíveis, com a maioria das partidas acontecendo ao meio-dia do verão mexicano, o que causaria sérios problemas a diversas seleções, sobretudo as europeias. 

O Brasil, todos sabem, vivia uma Ditadura Militar no seu pior momento, os chamados "anos de chumbo" e isso influenciou - é claro - a Seleção. O técnico foi trocado em março: saiu o João "sem medo" Saldanha, ligado ao PCB, e entra o - digamos assim - mais neutro Zagallo, que na época era treinador do Botafogo. Saldanha foi proibido até de cobrir o dia-a-dia da Seleção no México, tendo que trabalhar para a BBC de Londres. Zagallo promoveu mudanças na lista final trocando Rildo e Dirceu Lopes e por Marco Antônio e Roberto, atacante do Botafogo. Além disso, mexeu na estrutura do time, tirando Edu (ponta-esquerda do Santos ) e colocando Rivelino no time, para fazer o papel que o próprio "Lobo" fazia em campo. Também escalou Piaza como Zagueiro, barrando Joel Camargo. No mais, era o time de Saldanha, a saber: Félix, Carlos Alberto, Brito, Piaza e Marco Antônio; Clodoaldo, Gérson e Rivelino; Jairzinho, Pelé e Tostão. O detalhe é que os 5 últimos nomes da lista usavam a camisa 10 em seus clubes. Adivinhem quem não teve que mudar o número?

As partidas de quartas-de-final foram cheias de emoção: Em León, os alemães se vingaram da Inglaterra, ao vencer por 3x2, com gol de Muller na prorrogação; Em Toluca, 27mil mexicanos saíram desapontados quando o time deles perdeu por 4x1, após abrirem o placar, mas um gol contra e dois gols de Gigi Riva ( e mais um de Rivera ) mantiveram os italianos na Copa; Na Cidade do México, o estádio Asteca viu a Celeste suplantar os russos por 1x0, na prorrogação; E em Guadalajara... o Brasil passou por cima do Peru, de um Didi que cantou o Hino Brasileiro!!! 4x2, com os únicos 2 gols de Tostão naquela Copa. Jair seguia como o único a marcar em todas as partidas.

Nas semi-finais, dois duelos épicos e entre rivais continentais: Brasil x Uruguai, no estádio Jalisco de Guadalajara, e Itália x Alemanha no Asteca. E os fantasmas de 1950 voltaram com força, praticamente só se falava disso na imprensa brasileira. E eles ganharam ares de tragédia quando Cubillas chutou fraco e Félix aceitou... tragédia, mística uruguaia, vexame foram palavras que passaram pela cabeça dos torcedores e creio eu até de jogadores. Em jogada espetacular de Tostão, Clodoaldo empata ao fim do primeiro tempo. Com certeza seria bem duro de se recuperar caso o time fosse pro vestiário perdendo. Na volta, com calma e muito futebol, a categoria de nossos craques se impôs e o Brasil iria para a final. A quarta em seis copas, maior marca até então. Na outra partida...

Beckenbauer com sua clavícula sendo imobilizada: uma das imagens imortais da história das Copas 
foram 120 minutos inesquecíveis e sofridos. Os italianos venciam desde os 7 minutos de jogo ( gol de Boninsegna ), quando nos acréscimos Schnellinger empata. Prorrogação num calor de 36º para duas seleções europeias. Além disso, o Kaiser Beckenbauer foi para o sacrifício, ao ter deslocado a clavícula, mas ficar em campo. Contudo, ele apenas andava em campo e pouco fez. Muller virou, a Itália virou de novo, Muller empatou novamente. Tudo isso em impressionantes 20 minutos!!! Mas faltando 8 minutos, Rivera ( imagem abaixo ) deu o golpe de misericórdia e coloca os italianos de volta numa final desde 1938. Na decisão do terceiro lugar, os alemães bateram o Uruguai por 1x0, gol de Overath

o lance que decide o maior jogo da história das copas... Beckenbauer mal consegue andar Maier lamenta não ter feito a defesa...
E veio a final. Neste momento o México inteiro torcia pelo Brasil e seu futebol alegre e ofensivo. Pelé poderia ser facilmente eleito presidente, caso fosse candidato. Rivelino era a "patada atômica", enquanto que Jairzinho era o "furacão da copa". Os italianos, exausto após a batalha 4 dias antes, entraram em campo buscando a superação, para vencer aquela tida melhor seleção da Copa. E que estava a 90 minutos de se tornar a melhor de todos os tempos.

O jogo começa equilibrado, com cadência dos dois lados. O Brasil tinha mais preparo físico e isso ficaria claro no segundo tempo, onde normalmente o time sobrava.  Aos 18 minutos, em cruzamento da esquerda, Pelé sobe e abre o placar. E a maldição, abateria também este timaço? Lembrando que em todas as finais anteriores, quem marcou primeiro terminou derrotado. Pelé, claro, comemorou muito...


Tempo para uma historinha, antes do empate dos italianos: o repórteres de Brasília queria saber qual era o palpite do Presidente Médici para a final e usaram o filho mais velho dele para descobrir. Ao ser questionado, o presidente disse, firme: 4x1. O filho falo que era sério e o pai retrucou: 4x1. Deixemos o assassino de lado e voltemos para final. Aos 37 minutos Clodoaldo - que fazia uma Copa próxima da perfeição, resolve enfeitar um lance fácil ao tentar um calcanhar. Resultado? Gol de Boninsegna. Depois da partida, Corró diria que fez aquilo para fazer o presidente acertar. Piada, é claro. 

Pelé ainda marcaria outro gol, mas o juiz Glockner já tinha terminado a partida. No segundo tempo os 30 minutos a mais pesaram contra a Itália: aos 20 Gérson aproveita sobra de lance de Jairzinho, finta um marcado e desfere um tiro mortal contra Albertosi: 2x1. Daí para frente, a Itália passou ao posto de observador da consagração de uma equipe maravilhosa. 5 minutos depois, Gérson faz um espetacular lançamento com sua "canhotinha de ouro", Pelé escora e Jairzinho tromba com Fachetti e a bola entra, 3x1 Brasil. Jairzinho torna-se, com este gol, o único brasileiro a marcar gols em todas as partidas de uma Copa em que o Brasil tenha feito mais de duas partidas.

Mas ainda faltava o golpe final: aos 41 Clodoaldo dribla vários italianos e toca para Rivelino, que lança Jairzinho pela esquerda, que toca para Pelé, que rola a bola para Carlos Aberto que vem a voando pela ponta direita e fuzila Albertosi. Acabou 4x1, o show do melhor time das Copas. Ao menos daqueles que venceram.


Veio o fim da partida, a invasão, Pelé e Tostão quase ficam nus, Rivelino passa mal... os mexicanos fizeram a maior festa da história de uma final de Copa. Até hoje!!! E o capitão Carlos Alberto teve a honra de ser o último jogador a levantar a Jules Rimet. Que seria roubada da sede da CBF em 1983 e... bom, isto é outra história.


O Artilheiro


Baixo para os padrões alemães, Gerd Mueller foi um dos maiores atacantes de todos os tempos. Só o fato de ter feito 14 gols nas duas Copas que jogou já dão uma ideia de seu apurado faro de gol. Artilheiro nato, Mueller ainda tem mais um feito: marcou o gol de dois títulos da Alemanha, ao decidir na Eurocopa de 1972 e na Copa de 74.

Em 1970, Mueller quase colocava sua seleção na final. Faltou pouco, mas gols não. Foram nada menos que 10 em solo asteca. A marca só é menor do que os 13 de Just Fontaine ( 1958 na Suécia ) e os 11 ( 1954 na Suíça ). Depois dele, ninguém nem chegou perto. Ele marcou gols em todas as partidas da Copa, menos na decisão do terceiro lugar, quando quem fez o gol foi de Overath.


Charge do Dia: O caráter de quem comemora

Alegria de presidiários quando um juiz se aposenta dá uma ideia do caráter deles...

sexta-feira, maio 30

Contas da Prefeitura do ano de 2012 são rejeitadas pelo TCE

Prefeito está confiante que, ao fim, as contas serão aprovadas...
A segunda turma do Tribunal de Contas do Estado rejeitou hoje as Contas da Gestão do Prefeito Marcones Libório de Sá, relativas ao exercício de 2012. Segundo matéria publicada no Site do Órgão Fiscalizador, a Relatora Teresa Duere encontrou algumas inconsistências:
  • Gasto com pessoal além do permitido - O limite é 54% e a Prefeitura teria gasto 55,38%;
  • Gasto com Saúde abaixo do limite mínimo - A relatora cita que encontrou gastos de 14,58%, abaixo do percentual obrigatório, que é 15%;
  • Problemas no repasse ao Fundo de Previdência dos Servidores - O relatório aponta um repasse a menor do que deveria ter sido feito na ordem de quase R$ 550 mil;
  • Discrepância nos valores da receita;
  • Restos a pagar ( valores não pagos no exercício e que ficam para o ano seguinte ) no montante superior R$ 5,7 milhões;
  • Insuficiência de caixa acima de R$ 3 milhões;
  • Não divulgação no site da Prefeitura da Receita e Despesa como determina a Lei de Responsabilidade Fiscal.
É claro que a medida é em primeira instância e cabe recurso. Mas trará dor de cabeça aos advogados da Prefeitura para rebater ponto por ponto. Mas, convém dizer, é comum relatórios assim, com resultados ruins em primeira análise, terminarem em Contas Aprovadas. 

Logo no começo da tarde, a Prefeitura emitiu nota a respeito, a qual reproduzo na íntegra:


NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Prefeitura de Salgueiro vem a público esclarecer sobre a prestação de contas do exercício financeiro de 2012 e matéria publicada em site do TCE/PE.

Manifestamos o respeito pela decisão, contudo, uma vez que esta, ainda está tramitando, e sendo um direito legítimo, entraremos com recurso, ratificando a deliberação publicada no Diário Oficial do Estado, em 24 de abril de 2014, que aprovou a Prestação de Contas dos Gestores da Prefeitura Municipal de Salgueiro, no exercício 2012, atestando, mais uma vez, e de forma legal, que esta gestão tem como princípio primordial honrar seus compromissos com o povo, sobretudo, com responsabilidade e ética.

Salgueiro, 30 de maio de 20014.

Marcones Libório de Sá

Joaquim Barbosa anuncia aposentadoria

vai deixar saudades... ao menos naqueles queriam ver condenados os autores do mensalão
O Presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa decidiu aposentar-se. As razões podem ser as mais diversas, mas eu creio que o motivo central tenha sido o fato médico. Barbosa sofre de problemas na coluna e quem tem este tipo de problema sabe que é algo terrível.

Outros podem citar que o fato de pertencer a uma Corte presidida pelo seu desafeto Ricardo Lewadowski seria por demais insuportável. Sendo por isso ou não, o fato é que a saída dele é sintomática. Nunca um Ministro do Supremo foi tão odiado e amado ao mesmo tempo. Criticado e elogiado. Enfim, nunca houve um Ministro do STF como Joaquim Barbosa. E isso nada tem a ver com a cor dele...

Ficará para sempre lembrado com o Relator do Processo do Mensalão. E para sempre será pessoa não grata no PT, mas eu deixo uma pergunta: quantos bandidos vocês conhecem que gostem de juízes honestos?

Inglaterra 1966: Os inventores do futebol vencem, com muita ajuda

Banks ( amarelo ), Charlton com a taça e o capitão Bobby Moore: a santíssima trindade dos ingleses
A Copa de 1966 foi dada aos ingleses, que até ali praticamente nada tinha feito em Copas, o que feria demais os brios dos inventores do esporte. Sendo assim, a Copa teria que ficar na Inglaterra a qualquer custo. E isso ficou claro durante a competição, com diversos atos que ocorreram. Mas uma coisa era objetivo de todas as seleções da europa: impedir o tri-campeonato do Brasil. Mal sabiam eles que o Brasil ruiria por seus próprio erros, que não foram poucos.

João Havelange, que em 58 e 62 deixara a Seleção nas mãos de Paulo Machado de Carvalho, resolveu chamar para si a glória do Tri. Afinal com Pelé no auge e um time bem preparado isso seria fácil conseguir. Só que o time esteve longe de ser bem treinado. Vicente Feola voltava ao comando da seleção ( por problemas de saúde fora substituído por Aimoré Moreira, no Chile ). E a preparação foi uma tremenda bagunça. Mas isso eu falo quando tratar no Brasil na Copa, ao fim deste texto.

16 Seleções participariam da Copa, assim como nas 3 edições anteriores, assim como o regulamento. Os participantes estavam assim divididos por continentes:
  • América do Sul: Brasil, Argentina, Uruguai e Chile;
  • América do Norte: México;
  • Ásia: Coreia do Norte;
  • Europa: Inglaterra, França, Hungria, Bulgária, Portugal, Itália, URSS, Alemanha Ocidental, Suíça e Espanha.

Os Grupos assim foram formados e decididos:

  • Grupo A: Inglaterra, Uruguai ( classificados ), França e México. Os donos da casa empataram na estreia com o Uruguai, mas venceram franceses e mexicanos, ficando em primeiro. Os uruguaios empataram com o México, mas a vitória sobre a França foi o suficiente para ficarem em segundo;
  • Grupo B: Alemanha Ocidental, Argentina ( classificados ), Suíça e Espanha. Grupo fácil para alemães e argentinos: empataram entre si na segunda rodada e passaram sem sustos pelos outros dois rivais;
  • Grupo C: Portugal, Hungria ( classificados ), Brasil e Bulgária. E o tri se foi bem rapidamente. Apesar da vitória da estreia ( a última partida com Pelé e Mané ), o Brasil perdeu por 3x1 para a Hungria e para surpresa daquela copa, Portugal. Os lusos bateram os húngaros e ficaram em primeiro;
  • Grupo D: URSS, Coreia do Norte ( classificados ), Itália e Chile. Isso mesmo, a Itália foi eliminada de novo na primeira fase e passou vergonha ao perder para a Coreia do Norte. Os soviéticos passaram fácil em primeiro. Uma das maiores zebras das Copas e que teria reflexo na Itália nos pós-copa. Que seria observado quatro anos depois.

Sem ter que se preocupar com o Brasil, a copa seguiu para as quartas de finais: Em Liverpool o portugueses tomaram um susto e tanto quando os coreanos abriram 3x0, isso mesmo que você leu, em apenas 25 minutos. Mas comandados pelo "pantera negra" Eusébio, os lusos viraram para 5x3 - com 4 gols do moçambicano. Em Sheffield, os alemães passaram o rodo no Uruguai de Pedro Rocha ( 4x0 ); Os russos venceram a batalha de nações socialistas, em Sunderland, contra a Hungria ( 2x1 ); E por fim, em Londres num Wembley lotado, veio um dos jogos mais polêmicos das Copas: Inglaterra 1x0 Argentina. A partida estava empatada, com os dois times tendo chances até que o árbitro expulsou o 10 argentino. Motivo? Até hoje não se sabe. Rattin afirma que tudo o que queria era um interprete para conversar com juiz alemão. Após uma tremenda confusão, Hurst fez o gol que classificou os donos da casa. Rattin ainda seria hostilizado fora de campo, ao jogarem cerveja nele quando se sentou perto da tribuna real ( Elizabeth II não estava lá. O craque argentino disse: "eu odeio cerveja inglesa, é a pior do mundo".


Rattin tenta se fazer entender pelo árbitro alemão... 
E a ajuda aos ingleses seguiu nas semi-finais: estava prevista que a partida entre Portugal e Inglaterra fosse em Manchester, só que mudaram o local para Londres, onde mais pessoas poderiam ver a partida. E Portugal teve que viajar mais de 450km, coisa que seriam apenas 100km se tivessem que ir a Manchester. Cansados ou não, o fato que o time de Eusébi e cia não mostrou o mesmo futebol e tomou 2x0 e só no final, e de penalty, o Pantera Negra faria o gol português, o primeiro que Gordon Banks sofria naquela copa. Na outra partida os alemães superaram a URSS de Lev Yashin também por 2x1.  Na decisão do terceiro lugar, Portugal bateu a URSS por 2x1 e fez a sua melhor campanha em copas e mesmo perdendo, os russos também.

No dia 30 de junho, 98 mil pessoas se acotovelaram dentro do antigo estádio de Wembley para ver a final. E logo perceberiam que seria sofrido: aos 12 Haller fez 1x0. Será que seria mantida a máxima de sair na frente e ser derrotado? Pois foi o que acontecia até os 88 minutos do segundo. Os ingleses tinham virado com gols de Hurst ( 18' do primeiro tempo ) e de Peters ( 33' do segundo tempo ). Wembley já se preparava para comemorar a conquista, quando faltando apenas 2 minutos Weber empata, após uma tremenda confusão na área de Banks. Prorrogação.

E aos 11 minutos do primeiro tempo aconteceu o lance imortal daquele Copa: Hurst recebe passe de Lee, corta e chuta de dentro da pequena área. A bola sobe, bate na trave e... entrou ou não?


Os ingleses comemoram, os alemães reclamam. E logo se exasperam ao ver a confirmação de gol, após o árbitro suíço Dienst, ouvir o auxiliar, e marcar gol. O fato é que bola não entrou e anos depois a tecnologia confirmou que a arbitragem errou. Mas a Inglaterra passou a frente. Afinal, qual árbitro teria peito suficiente para anular o lance? Poucos, é preciso dizer...

No segundo tempo Hurst ainda faria o quarto gol ( terceiro dele, feito único na história das Copas ) e finalmente os ingleses tinham sua conquista. Mas que teve ajudas por demais, isso é inegável.

O Artilheiro
Duas lendas juntas: Yashin e Eusébio
Eusébio da Silva Ferreira. Este é o nome do, ainda, maior desportistas português de todos os tempos. Ninguém é maior que ele. Talvez Cristiano Ronaldo o suplante. Talvez, quem sabe. O fato é que o grande Eusébio não verá isso, pois faleceu em 05 de Janeiro deste ano.

Em 1966 Portugal finalmente iria participar de uma Copa. E caiu no grupo do Brasil. E não apenas foi o primeiro como eliminou os atuais campeões com um sonoro 3x1 ( dois de Eusébio ). Bola de Ouro da Europa em 1963, ele era o melhor jogador europeu, a ponto de muitos questionarem se ele não era melhor que Pelé. 

O Pantera Negra marcou 9 gols, 4 deles só contra a Coreia do Norte, fundamentais já que o time começou perdendo por 3x0. Coube a ele também marcar o primeiro gol sofrido pela Inglaterra naquele mundial. Eusébio foi o craque da Copa.

O Brasil no Mundial

o time foi derrotado por Portugal por 3x1.
Como dito lá em cima, Havelange resolveu tomar para si a glória do Tri, que seria fácil demais, segundo todos os dirigentes. E ai começaram os problemas, já que foram convocados nada menos que 44 jogadores, o dobro do necessário. A incerteza se iria ou não para a Copa criou um clima ruim. Mas teve mais: teve quem cobrasse mais jogadores do Corinthians na lista e convocaram Ditão ( zagueiro que quase tira Tostão da Copa seguinte ). Só que a desorganização era tamanha, que quando digitaram o nome, colocaram na verdade o jogador do Flamengo, com mesmo apelido mas nome totalmente diferente!!!

O Brasil vivia um período de transição, com os bi-campeões envelhecidos ( Gilmar, Djalma Santos, Bellini, Orlando, Zito e Garrincha ) e uma jovem safra chegando ( Tostão, Jairzinho e Gérson ). Mas nomes terríveis foram a Copa: Paraná, Fidélis, Paulo Henrique e Denílson. A bagunça foi tanta que Carlos Alberto Torres já tido como sucessor do Lorde Djalma Santos ficou de fora para o tosco Fidélis, cujo apelido era "touro sentado".

Assim sendo, o time que encarou a Bulgária tinha a base que sobrara de 62 com alguns jovens. Venceu por 2x0, com gols de Pelé e Garrincha, ambos de falta, mas esteve longe de um grande futebol. Sem Pelé - alvejado pela violência - o Brasil foi encarar a Hungria ( único time a não perder pro Brasil em Copas, com mais de um confronto ) e caiu por 3x1. Desesperado, pois precisava fazer 3x0 para se classificar, Feola mudou 7 jogadores para encarar Portugal. Outro 3x1 o Brasil estava fora. Pelé foi castigado pela defesa portuguesa a ponto de ficar apenas fazendo número na ponta esquerda.

Pelé sai de campo. Apanhou demais nas duas partidas que jogou. Voltaria para se tornar Mito em 70.
Era o fim melancólico de uma geração vitoriosa e um duro aprendizado para os jovens. Que seriam fundamentais no México. Mas isto é uma outra história...

Patrocínio

Vivemos dias Perigosos: Mudança via Decreto

leia com atenção este texto e entenda porque eles riem de você
O Brasil é uma Democracia recente, tem pouco menos de 30 anos. Em outros períodos, curtos, também o foi. De 1889 até 1930 e de 1945 até o Golpe Militar de 1964. Só que, desde 2003, a mesma vem sendo ameaçada de diversas formas. Alguma sublimares, outras nem tanto. Adiante.

Em meio a Copa das Confederações no ano passado, o Brasil foi tomado por uma verdadeira onda de protestos, raramente vista em nossa história. Aconteciam em todos os lugares e alguns vibraram, outros nem tanto. Eu ainda acho que protestar pode, mas bagunça não é permitida e ninguém em uma Democracia. E o Governo do PT ficou atordoado pois, em tese, é quem comanda os "movimentos populares". Ou ao menos pensava que controlava...

Dilma e o PT, decidiram então que era o momento de colocar em pratica aquilo que o partido sempre quis: comandar de forma clara o processo político. Governar não é comandar o processo político para ficar bem claro. O partido saiu-se com a ideia de uma Constituinte Exclusiva para definir regras da reforma política, que seria feita adivinhem só ao gosto de quem... Adiante.

Para sorte do Brasil, a ideia foi pro vinagre. Nenhum aliado do PT é louco o suficiente para aderir a uma tese dessas, só o PC do B, mais retrogrado do que os petistas neste sentido. PMDB e os demais partidos dariam um tiro no pé, se embarcasse nessa. Adiante.

Agora, perto da Copa, e na surdina, o Governo baixou um Decreto que é na verdade um Ato Institucional disfarçado ( já ouviram falar do AI-5?? ), o 8243. Do que trata ele? De tornar a nossa Democracia representativa, em uma Democracia(??) Direta, comandada pelos grupos ( MST, UNE, MTST, Sindicatos e cia ) que o PT e seus aliados vermelhos comandem. Tornando estes grupos em algo parecido com partidos, mas sem eleições diretas e livres para suas escolhas.

Deixo com vocês o texto integral do Decreto ( clique aqui ) e posto abaixo o editorial do Estado de São Paulo sobre o Decreto. Leiam, é de fazer tremer a audácia do PT ao fazer isso. Via Decreto ainda mais...

O Estado de S.Paulo
A presidente Dilma Rousseff quer modificar o sistema brasileiro de governo. Desistiu da Assembleia Constituinte para a reforma política - ideia nascida de supetão ante as manifestações de junho passado e que felizmente nem chegou a sair do casulo - e agora tenta por decreto mudar a ordem constitucional. O Decreto 8.243, de 23 de maio de 2014, que cria a Política Nacional de Participação Social (PNPS) e o Sistema Nacional de Participação Social (SNPS), é um conjunto de barbaridades jurídicas, ainda que possa soar, numa leitura desatenta, como uma resposta aos difusos anseios das ruas. Na realidade é o mais puro oportunismo, aproveitando os ventos do momento para impor velhas pretensões do PT, sempre rejeitadas pela Nação, a respeito do que membros desse partido entendem que deva ser uma democracia.
A fórmula não é muito original. O decreto cria um sistema para que a "sociedade civil" participe diretamente em "todos os órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta", e também nas agências reguladoras, através de conselhos, comissões, conferências, ouvidorias, mesas de diálogo, etc. Tudo isso tem, segundo o decreto, o objetivo de "consolidar a participação social como método de governo". Ora, a participação social numa democracia representativa se dá através dos seus representantes no Congresso, legitimamente eleitos. O que se vê é que a companheira Dilma não concorda com o sistema representativo brasileiro, definido pela Assembleia Constituinte de 1988, e quer, por decreto, instituir outra fonte de poder: a "participação direta".
Não se trata de um ato ingênuo, como se a Presidência da República tivesse descoberto uma nova forma de fazer democracia, mais aberta e menos "burocrática". O Decreto 8.243, apesar das suas palavras de efeito, tem - isso sim - um efeito profundamente antidemocrático. Ele fere o princípio básico da igualdade democrática ("uma pessoa, um voto") ao propiciar que alguns determinados cidadãos, aqueles que são politicamente alinhados a uma ideia, sejam mais ouvidos.
A participação em movimentos sociais, em si legítima, não pode significar um aumento do poder político institucional, que é o que em outras palavras estabelece o tal decreto. Institucionaliza-se assim a desigualdade, especialmente quando o Partido (leia-se, o Governo) subvenciona e controla esses "movimentos sociais".
O grande desafio da democracia - e, ao mesmo tempo, o grande mérito da democracia representativa - é dar voz a todos os cidadãos, com independência da sua atuação e do seu grau de conscientização. Não há cidadãos de primeira e de segunda categoria, discriminação que por decreto a presidente Dilma Rousseff pretende instituir, ao criar canais específicos para que uns sejam mais ouvidos do que outros. Ou ela acha que a maioria dos brasileiros, que trabalha a semana inteira, terá tempo para participar de todas essas audiências, comissões, conselhos e mesas de diálogo?
Ao longo do decreto fica explícito o sofisma que o sustenta: a ideia de que os "movimentos sociais" são a mais pura manifestação da democracia. A História mostra o contrário. Onde não há a institucionalização do poder, há a institucionalização da lei do mais forte. Por isso, o Estado Democrático de Direito significou um enorme passo civilizatório, ao institucionalizar no voto individual e secreto a origem do poder estatal. Quando se criam canais paralelos de poder, não legitimados pelas urnas, inverte-se a lógica do sistema. No mínimo, a companheira Dilma e os seus amigos precisariam para esse novo arranjo de uma nova Constituição, que já não seria democrática. No entanto, tiveram o descaramento de fazê-lo por decreto.
Querem reprisar o engodo totalitário, vendendo um mundo romântico, mas entregando o mais frio e cinzento dos mundos, onde uns poucos pretendem dominar muitos. Em resumo: é mais um ato inconstitucional da presidente Dilma. Que o Congresso esteja atento - não apenas o STF, para declarar a inconstitucionalidade do decreto -, já que a mensagem subliminar em toda essa história é a de que o Poder Legislativo é dispensável.

quinta-feira, maio 29

Craques da Copa: Cristiano Ronaldo

Craque. Simples defini-lo
Cristiano Ronaldo poderá tornar-se o maior craque da Seleção das Cinco Quinas ( entenda aqui ), que tem como maior estrela o moçambicano Eusébio, falecido em janeiro. A Seleção de Portugal é mediana, mas conta com o futebol vistoso de CR7 para tentar fazer bonito.

Ronaldo foi uma descoberta das divisões de base do Sporting Lisboa, que o tirou do Nacional da Ilha da Madeira ainda antes dos 12 anos. Em Lisboa ele se desenvolveu e chamou a atenção de Sir Alex Fergunson, o mítico treinador do Manchester United, que o levou para a Inglaterra. E foi atuando pelos Red Devils ( diabos vermelhos ), que ele foi alçado ao posto de craque mundial. Sucesso entre as mulheres, preferido como jogador pelos garotos é um atleta que usa seus físico para superar os rivais. Mas se engana quem pensar que ele é só massa muscular. Exímio finalizador e cobrador de faltas, tem uma visão de jogo apurada. E está no auge físico aos 29 anos. Maduro e pronto para a Copa.

O sucesso dos lusos está diretamente ligada ao que ele puder fazer em campos brasileiros. Duas vezes eleito o melhor do mundo é o atual detentor do título e terá que superar uma certa maldição: nenhum atleta que tenha chegado com a bola de ouro foi bem na Copa. Além disso, ele não está em suas condições físicas ideais, tendo jogado no sacrifício a final da Champions League, onde deu ao seu clube, o Real Madrid, a tão sonhada "la decima". 

Se conseguir se recuperar fisicamente, tenham certeza de que o "gajo" irá jogar muito nesta Copa. Quem duvidar é bom ver de novo este vídeo, com os 3 gols que ele marcou na repescagem contra a Suécia, do não menos espetacular Zlatan Ibrahimovic, quando Portugal garantiu a vaga para a Copa:


Rádio Vieira: Late Kiss - Pearl Jam


Como é praticamente impossível ouvir boa música nas rádios de Salgueiro, vou tentar fazer isso via Blog. Espero que gostem. Hoje compartilho com vocês uma bela música do grupo Pearl Jam, que conta uma história de amor.

Direto do Perfil de Alvinho Patriota

Que beleza, hein?
Aconteceu hoje uma reunião na Câmara dos Vereadores para, entre outras coisas, tratar do trânsito. O Diretor da Ciretrans Salgueiro, e ex-presidente da Casa Epitácio Alencar, Orlando Parente foi um dos que falaram no evento.

Por causa disso, muito provavelmente tivemos até Blitz do Detran em Salgueiro, após anos sem que ocorresse uma única que fosse. Não fui a reunião, mas vi que foi divulgado o número de veículos licenciados em Salgueiro ( falo dele amanhã ).

Mas o ex-vereador Alvinho Patriota, que mantém um excelente Blog diga-se de passagem, postou a foto acima. É de um carro do Detran. E sim, ele está com as rodas na calçada. E sim, está cometendo uma infração de trânsito.

Belo exemplo, não?

Chile 1962: O Brasil também é Bi-Campeão

Em pé: Djalma Santos, Zito, Gilmar, Zózimo, Nilton Santos, o capitão Mauro e Paulo Machado; Agachados: Mário Américo, Garrincha, Didi, Vavá, Amarildo e Zagallo.
A sétima Copa do Mundo fora designada ao Chile. Que se preparava para realizar uma grande Copa, quando um terremoto devastou o país em maio de 1960. A FIFA cogitou tirar a Copa da país, mas ai surgiu uma das frases mais emblemáticas da história dos mundiais: "porque nada tenemos, lo haremos todo" ( porque nada temos, tudo faremos ).

Até então apenas 4 países tinham vencido a competição: Uruguai ( 30 e 50 ), Itália ( 34 e 38 ), Alemanha ( 54 ) e, claro, o Brasil que era o atual campeão. Que tinha o melhor jogador do mundo naqueles dias, o Rei. E a base da seleção vencedora fora mantida, com apenas duas alterações, ambas na zaga: Bellini e Orlando deram lugar a Mauro ( que herdou a braçadeira de capitão ) e Zózimo. No mais, eram o mesmos jogadores.

A Copa foi realizada excelentemente dentro de campo, mas fora as marcas do desastre permaneceram. Mas o futebol rolou e todos conseguiram locomover-se bem dentro do Chile. Assim como em 58, dezesseis seleções participaram e o regulamento era o mesmo, somente com uma sutil diferença: adoção do saldo de gol para definir quem passava de fase. Com isso, nunca tivemos jogo extra para definir um classificado. Por continentes, as seleções estavam assim distribuídas:
  • América do Sul: Chile, Brasil, Argentina, Uruguai e Colômbia;
  • América do Norte: México;
  • Europa: Itália, Tchecoslováquia, Iugoslávia, Alemanha, Espanha, Inglaterra, URSS, Suíça, Bulgária e Hungria.
Os grupos foram assim formados e decididos:

  • Grupo A: URSS, Iugoslávia ( classificados ), Uruguai e Colômbia. Os soviéticos passaram tranquilos pelo grupo, exceto pelo empate de 4x4 com a Colômbia, que foi apitado por um húngaro que disse, depois, que empatou o jogo em represália política ( em 57 Moscou invadiu Budapeste para evitar que a Hungria passasse para um regime mais capitalista ). Os iuguslavos venceram os uruguaios e ficaram em segundo. Primeira eliminação dos nossos rivais em uma primeira fase de copa;
  • Grupo B: Alemanha Oriental, Chile ( classificados ), Suíça e Itália. O futebol italiano seguia ruim em Copas. Pela quarta vez consecutiva, ficaram na primeira fase. Tomaram parte naquele conhecido como o mais violento jogo da história das Copas, contra os chilenos. 3 jogadores expulsos, um com a perna quebrada e diversas brigas durante a peleja. Os alemães ficaram em primeiro ao derrotar o Chile em um, digamos assim, jogo mais tranquilo. E a saga dos donos da casa, ao menos, passarem de fase seguia;
  • Grupo C: Brasil, Tchecoslováquia ( classificados ), Espanha e México. O Brasil começou confirmando seu favoritismo, batendo o México, mas empatou com os tchecos, quando perdeu Pelé por contusão ( estiramento na coxa ). Como a Espanha também vencera o México e tinham perdido na estreia para os tchecos, os 3 entraram na rodada final com chances. Para ser primeiro, bastava vencer. Perder resultaria na eliminação. E o Brasil, com Amarildo no lugar de Pelé, foi a campo contra a Espanha. Saiu atrás e sofreu um gol anulado, no qual acontecera um penalty, salvo por Nilton Santos ao dar 2 passos para fora da área ( imagem abaixo ). Com dois gols de Amarildo, vencemos os espanhóis e ficamos em primeiro, porque o tchecos conseguirem perder para o México.
  • Grupo D: Hungria, Inglaterra ( classificados ), Argentina e Bulgária. Grupo equilibrado onde ninguém venceu os 3 jogos, onde Inglaterra e Argentina terminaram empatados em pontos, ficando os primeiros com a vaga. A Hungria vivia de novo um bom momento e ficou em primeiro lugar.
observe que além de ter feito penalty, Nilton Santos ainda dá dois passos para frente, mas fica em cimada linha, que é parte da área. Ainda seria penalty, caso a falta ocorresse ali...
Vieram então as quartas de final, começando pelo embate entre os donos da casa perante os russo, em Arica, vencido pelo Chile por 2x1; Em Rancagua, os Tchecos despacharam a Hungria ( 1x0 ); Em Santiago a Iugoslávia enfim eliminou a Alemanha em um mata-mata ( 1x0 ); Já em Viña del Mar, o Brasil precisou de toda a genialidade de Garrincha para derrotar a Inglaterra por 3x1. Mané jogou por Pelé e colocou o Brasil em mais uma semi-final, a quarta até então.


Nas semi-finais, o Estádio Nacional seria o palco de um embate sulamericano por uma vaga na final. E os chilenos estavam eufóricos e acreditavam que poderiam parar o time brasileiro e até diziam que estava na hora do mundo conhecer o verdadeiro Chile. O maior público da Copa foi naquela partida ( 76.500 ), mas o Chile não era páreo para Mané. Que fez de tudo: gol de cabeça, coisa que ele odiava de fazer pois machucara a cabeça quando jovem, gol de fora da área, entortar diversos joões ( como ele chamava seus marcadores ). Aos 32 minutos ele já fizera 2x0, com Toro descontando pros chilenos. No segundo tempo Vavá aumentou logo aos 2 minutos, com Sánchez outra vez descontando, em cobrança de penalty aos 26. Mas Vavá, o peito de aço, deu números finais 33. E ainda houve tempo para Garrincha ser expulso, ao revidar agressões sucessivas do seu marcador. E isso iria render uma bela história... na outra partida, a Tchecoslováquia passou pela Iugoslávia por 3x1 e iria repetir a partida da fase de grupos.

Após a partida, era aguardada ansiosamente a súmula da partida do Brasil, para verificar o que o árbitro peruano Arturo Yamazaki iria relatar. Acontece que ele sumiu de Santiago e não entregou nada à FIFA. Reza a lenda que ele foi pago por integrantes da nossa comissão técnica e saiu às pressas para Lima. Verdade ou não é que sem a súmula, Garrincha foi liberado para a final... mas uma gripe o pegou de jeito e ele foi para a partida com 37 graus, em estado febril. Apenas dançava diante dos tchecos, que sem saber colocam 3 jogadores para marcá-lo. Praticamente nada fez na final, mas foi importante.



Por falar em final, o Tchecos saíram na frente, o que o amigo leitor já deve saber não era nada auspicioso até 1970: todos que abriram o placar foram derrotados ao fim da partida. Amarildo empatou em um lance sem ângulo, a primeira falha do melhor goleiro da copa, Masopust. No segundo tempo, em jogada de Amarildo o volante Zito marcou de cabeça. E perto do fim, Djalma Santos cruza na área e Masopust falha bisonhamente ( atrapalhado pelo sol ) e Vavá marca o terceiro. Ele é até hoje o único a marcar em duas finais seguidas ( Pelé também marcaria em duas finais, mas em 58 e em 70 ). Vavá também é um dos únicos 3 jogadores a marcar 3 gols em finais de Copa. Além do Rei, o inglês Geophrey Hurst também ostenta esta marca, mas este fez os 3 num só jogo.

Festa e o Capitão Mauro Ramos de Oliveira se torna o primeiro jogador a repetir o gesto imortalizado por Bellini quatro anos antes.




O Artilheiro



Drazen Jerkovic foi artilheiro da Copa, mas até 1993 dividia esta honraria com outros 5 jogadores ( entre eles Mané Garrincha - o craque da Copa - e Vavá ), todos com 4 gols. Somente 31 anos depois foi que a FIFA revisou o terceiro gol da seleção de seu país contra a Colômbia. Assim ele passou a ter 5 gols e isolando-se na artilharia.


Drazen foi o primeiro técnico da história da Seleção da Croácia, quando esta se declarou independente da Iugoslávia. Ficou entre 1992 e 94, sem conseguir classificar o time para Copa dos EUA. O time foi prejudicado por não poder atuar diante de sua torcida, por causa da guerra entre as nações dos balcãs... Ele morreu em 2008, ao 72 anos de um enfarte do miocárdio.

Patrocínio

Charge do dia: Recebendo bem...

sejam bem vindos...

Reitero o que disse antes: vivemos dias perigosos

isso tem tudo a ver com você...
Já disse aqui e vou reiterar: vivemos dias perigosos, onde acontecem fatos que, mantidos, podem causar danos sérios a nação brasileira. Da legalização da maconha e do aborto, a tomada de parte dos valores caros aos brasileiros, diversos sinais de um caminho ruim estão ai. Quem quiser ver, verá. Quem achar que isso não é nada demais, ouviria de cumpadi Washington um "sabe de nada, inocente!!".

O CONAR - Conselho de Autorregulação Publicitária - determinou que a propagada do site de vendas Bom Negócio seja alterada. O motivo? O uso da palavra ordinária. Sim, isso mesmo. A melhor propaganda do ano - disparadamente - será alterada por cerca de 50 mulheres denunciaram a peça ao órgão por se sentirem ofendidas com a palavra. E detalhe: a palavra nem é citada completamente, pois o Cumpadi Washington some justamente quando vai dizê-la, ficando só o "ordi"...

50 mulheres são capazes de alterar uma propaganda. Quantas serão necessárias para impor ao Brasil o absurdo do aborto? Sinceramente, temos coisas bem mais importantes para resolver e um bando de desocupadas ficam se preocupando com uma propaganda inteligente, bem feita e que foi sucesso.

Para essas mulheres sem graça eu digo: Sabem de nada, Ordinárias!!!

quarta-feira, maio 28

Dois craques em um momento impensável nos dias atuais

dois dos melhores jogadores que tive o prazer de ver jogar
A Seleção está treinando e achei uma foto curiosa no baú em que o saudoso Sócrates me examina com a Seleção reunida. Não lembro da ocasião, mas fica o registro do grande Sócrates, que os mais jovens talvez não saibam mas também era médico.

Zico, o melhor camisa 10 brasileiro que vi jogar, postou esta foto e o comentário acima na sua página no Facebook. Os mais jovens devem pensar - se vissem a foto sem a legenda, que isso era uma brincadeira. Mas Sócrates não chamado de Doutor a toa.

Cena impensável nos dias de hoje, com jogadores robóticos e onde tudo é planejado antecipadamente com um marqueteiro. E onde os jogadores mais parecem produtos do que atletas. Outros tempos, com certeza. Tempos nos quais um atleta profissional se formava em medicina. E o outro em Educação Física!!!


Suécia 1958: Brasil!!!

Em pé: Djalma Santos, Zito, Bellini, Nilton Santos, Orlando e Gilmar. Agachados: Garrincha, Didi, Gasolina, Vavá e Zagallo. E o inconfundível massagista Mário Américo.
O Brasil vivia dias diferentes. Estava se industrializando, fruto do lema de Juscelino Kubitschek ( melhor presidente de nossa história com 100% de certeza ): 50 anos em 5. Na música já se ouviam os primeiros acordes de Bossa Nova. A TV brasileira começava a tomar espaço que antes era exclusivo do Rádio. Nossa Democracia, então com 13 anos ( Zagallo luta pela vida enquanto escrevo este texto ), parecia duradoura. Enfim, o Brasil crescia e queria aparecer para o mundo.

Após passar vergonha na Suíça e, sobretudo, em uma excursão pela Europa 2 anos antes ( quando um jogador desfilou de toalha pelo saguão do mais luxuoso hotel de Paris ) o recém eleito presidente da CBD ( antecessora da CBF ) João Havelange - sim, ele mesmo - resolveu profissionalizar a Seleção que, a duras penas, iria para os gramados suecos tentar, enfim, vencer uma Copa. Para chefiar a delegação, foi escolhido o paulista Paulo Machado de Carvalho, ligado ao São Paulo. De lá veio também o técnico: o bonachão, e pouco expressivo, Vicente Feola. A Comissão Técnica tinha o básico da época, mas um profissional era diferente e essencial: um psicólogo. Afinal era preciso tratar o tal "complexo de vira-latas", termo cunhado pelo imortal Nelson Rodrigues, segundo quem o brasileiro se achava inferior aos outros. Paulo Machado foi, inclusive, a Suécia 2 meses antes da Copa tratar de detalhes importes, algo nunca feito antes.

Na Suécia 16 seleções iriam estrear, pela terceira Copa seguida ( e quinta vez em seis edições ) um regulamento diferente: 4 grupos de 4 seleções, assim como em 54 na Suíça, mas com uma diferença básica: 3 jogos para todos e 2 se classificariam por chave. Daí para a frente, mata-mata. Formato que vigoraria até a Alemanha 74 e voltaria - para ficar - no México 1986. Por continentes, as seleções participantes, assim estavam distribuídas:
  • América do Sul: Brasil, Argentina e Paraguai ( pela primeira vez, a Celeste ficava de fora de uma Copa que quis participar );
  • América do Norte: México;
  • Europa: Suécia, França, Alemanha, Áustria, Escócia, Irlanda do Norte, Inglaterra, País de Gales, URSS, Tchecoslováquia, Iugoslávia e Hungria.
Essa foi a única Copa na qual as 4 seleções britânicas participaram juntas e por isso a FIFA resolveu colocá-las em grupos separados. Para isso criou outros 3 grupos de 4 seleções: as do leste europeu, as europeias não socialista e as americanas. Assim, cada grupo teve uma nação britânica, uma socialista europeia, uma capitalista europeia  e uma americana. E assim foi feito o sorteio e os grupos ( bem como o desenrolar deles, ficou assim:

  • Grupo A: Alemanha Oriental, Irlanda do Norte ( classificados ), Tchecoslováquia e Argentina. Os argentinos voltavam a jogar uma Copa desde 1934. Poderiam ter ficado em casa. Tomaram a maior goleada deles em Copa dos tchecos ( 6x1 ). A Irlanda do Norte brigou com os tchecos até o fim, tanto que foi preciso uma partida desempate ( mesmo com o saldo superior dos tchecos ). E se classificou ao vencer por 2x1. A atual campeã Alemanha nadou de braçadas;
  • Grupo B: França, Iugoslávia ( classificados ), Paraguai e Escócia. 11 gols em 3 jogos. Esta foi a senha dos franceses, comandados por Kopá e Fontaine. A Iugoslávia superou paraguaios e escoceses e ficou em segundo. Um grupo totalmente sem surpresas;
  • Grupo C: Suécia, País de Gales ( classificados ), Hungria e México. Esqueçam o timaço de 54, ele não mais existia. Em 1957 a maioria deles fugiu quando Moscou invadiu o país. Prova disso foi que os magiares perderam a vaga, em jogo desempate, para o surpreendente País de Gales. Os donos da casa, simplesmente arrasaram a todos.
  • Grupo D: Brasil, URSS ( classificados ), Inglaterra e Áustria. Os russos estreavam em Copas e isso causava todo tipo de conjecturas: de que seriam super atletas, que tinha um futebol científico e de laboratório. Eram tempos da corrida espacial e eles colocaram um satélite em órbita primeiro que os EUA!!!. Tudo passou para a normalidade quando eles empataram com a Inglaterra e vencerem palidamente a decadente seleção austríaca. E serem apresentados a Mané e Pelé. Com a derrota, os russos foram decidir em partida extra contra os ingleses. Venceram por 1x0.
Muitas lendas cercam o Brasil e a Copa. Uma delas dava conta de 5 titulares seriam sempre paulistas e outros 5 cariocas e o 11º seguia um rodízio. Outro é que jogadores de "cor" não rendiam em campo. Verdade ou mentira, o fato é que o time que encarou a Áustria só tinha dois negros: Didi - cujo reserva era Moacir, ainda mais negro que ele - e Joel, ponta-direita do Flamengo. E o time tinha 6 cariocas e 5 paulistas. 3x0. E um lance marcou a partida e alimenta histórias até hoje:


Ao ver Nilton Santos, recentemente falecido, avançar e partir para o ataque ( algo obrigatório hoje em dia, mas raríssimo naquele tempo ), o Técnico Vicente Feola disse "volta, Nilton, volta!!!". Quando o lateral marcou o gol, ele com seu ar de professor vibrou: "boa Nilton".

Mas o time não engrenou e empatou com a Inglaterra em 0x0 e se complicou, passando a ter que vencer a URSS para não depende de resultado algum. E foi ai que outra lenda é citada: Nilton Santos, Didi e Bellini teriam cobrado as entradas de Pelé, Garrincha e Zito nos lugares de Mazzola, Joel e Dino Sani. Muitos negam, outros confirmaram, mas o certo é que eles entraram e o resultado foram os 2 minutos mais espetaculares de uma Copa do Mundo até hoje: atônitos, os russos eram driblados um a um e várias vezes cada por Mané, que meteu uma bola na trave do lendário Lev Iashin. O público nem respirava e não sabia o que pensar. Até que Didi deu um passe perfeito para Vavá abrir o placar. O resto é história...


A concentração da Seleção ficou numa pequena e pacata cidade e sediada no Hotel Hindas, que ficava do lado a pouco mais de 2km onde ficaram os russos. Antes de partirem para seguirem seus caminhos no mundial, as delegações promoveram um encontro entre os times, onde todos ficariam perfilados e depois ocorreria um aperto de mãos. Por uma feliz coincidência, Kuznetsov ficou frente ao fantasma Garrincha. Na hora do aperto de mãos, eis que o russo agarra Mané pela cintura e fica berrando palavras que ninguém entedia. Até que alguém traduziu: "eu não disse, que eu segurava ele, eu não disse?". E todos caíram na gargalhada.

Veio as quartas de final. A França do artilheiro Fontaine destroçou os alegres Irlandeses ( 4x0 ); Os donos da casa eliminaram os já "normais" russos ( 2x0 ); Os campeões do mundiais passaram pela Iugoslávia ( 1x0 ); E o Brasil... sofreu muito para passar pelos galeses por 1x0, gol de... bom, disso todos sabem...

Ainda no chão, Pelé, autor do gol da vitória
As semi-finais oporiam os dois melhores times de um lado ( Brasil da melhor defesa e a França do melhor ataque ), contra a eficiência nórdica e alemã do outro. O Brasil saiu na frente com Vavá aos 2 minutos, mas Fontaine empatou aos 9 minutos. Mestre Didi, com uma brilhante folha seca, desempatou aos 39. E aos 41 o lance que selou a sorte dos franceses: em uma dividida - até  hoje contestada pelos franceses, Vavá quebrou a perna do zagueiro Jonquier. Naquele tempo não eram permitidas substituições  ( só seriam permitidas 12 anos depois, na Copa do México ). Com 11 contra 11 já era complicado para a França, com um a menos, virou covardia. No segundo tempo Pelé fez 3 gols e o Brasil venceu por 5x2. No dia seguinte, o jornal Francês L'Equipe estampou: "Le Roi". E citando que o garoto nem poderia assistir aos filme de Brigitte Bardot. Foi uma sensação. Na outra partida a Suécia virou para cima da Alemanha, fazendo 3x1.

Ai apareceu um problema: os dois times jogavam com camisas amarelas, calções azuis e meias azuis. Alguém teria que usar outra camisa. E ninguém aceitou mudar: a Suécia porque jogava em casa, o Brasil porque não tinha outras camisas!!! No sábado a tarde foi realizado um sorteio e o Brasil perdeu. E logo pensamentos ruins vieram a cabeça de todos, nós que não conseguimos vencer, vamos ter que trocar de camisas, pensaram muitos. Eis que entra o Marechal da Vitória ( termo pelo qual Paulo Machado ficou conhecido após a Copa ) entra com as camisas azuis ( que fora comprar após o sorteio ) e diz: "vamos jogar de AZUL e vamos vencer, pois AZUL é a cor do manto de Nossa Senhora Aparecida". E todos acreditaram. E a comissão técnica passou a noite recortando os emblema da CDB e os números das camisas amarelas e costurando-os nas camisas azuis.

Durante a noite choveu pesado em Estocolmo, local da decisão. E isso favorecia, mesmo que ligeiramente, os donos da casa.Só que num gesto de honradez extremo, os suecos usaram baldes e esponjas e qualquer meio para secar o campo. E assim, aconteceu. O time sueco não era brilhante, mas tinha seus destaques. E era perigoso. E logo aos 4 minutos, Liedholm abriu o placar. Talvez ninguém se percebeu em campo, mas nunca o abridor do placar em finais fora campeão. Mas foi outra coisa que fez o Brasil vencer:


Valdir Pereira, o Mestre Didi, pegou a bola e lentamente caminhou até o meio do campo. No trajeto foi acalmando os companheiros e dizendo: "acabou a brincadeira, vamos jogar". Nem só de gols se vence uma Copa.

O resto foi um baile. Garrincha praticamente faz duas jogadas iguais na ponta direita, e cruza para Vavá virar a partida. No segundo tempo, Pelé marca um dos mais belos gols em copas, o terceiro do Brasil, ao chapelar dois suecos. Zagallo marca o quarto, em jogada de pura raça. Simonsson desconta, mas o destino da partida estava selado. Faltando um minuto, Pelé - o rei - escora cruzamento de Zagallo e marca o quinto gol. O zagueiro sueco disse depois: "tive vontade de abraçá-lo e comemorar".

O Brasil era campeão do mundo. Festa em todos os locais onde um rádio chegasse com seu sinal. O complexo de vira-latas estava enterrado. E um gesto foi imortalizado ( leia matéria sobre Hideraldo Luiz Bllini clicando aqui ):


O Artilheiro


Just Fontaine tem uma marca que sobrevive até hoje: o de maior artilheiro de uma Copa, ao marcar impressionantes 13 gols. Só para comparar, Pelé marcou 12 - portanto, um a menos, em 4 copas  e um total de 14 jogos. Fontaine precisou só de 6. Talvez até fizesse mais, não fosse uma séria contusão que ele sofreu em 1960. Só participou de uma Copa. E assim mesmo se eternizou na história. Quem mais próximo chegou de sua marca nas Copas seguintes, foi o Alemão Gerd Muller em 1970, quando marcou 10 vezes.

E ele ajudou a França a fazer sua melhor campanha até 1986, ao conquistar o terceiro lugar. Mas esta é uma história que ainda vai levar alguns dias...

Patrocínio:



Charge do Dia: Tá parado?

não tem como não concordar e rir com esta charge...
Tá bem perto, não é mesmo?
A Charge de hoje é dupla. E remete a problemas vividos por todos nós, até mesmo em Salgueiro: mobilidade urbana, que é um mal imenso e que afeta diretamente a todos ( ao menos aqueles que não possuem helicópteros ): pobres, classe média e até os mais abastados. 

Locomover-se só tem piorado e vamos para da idiotice de afirmar que isso é um reflexo positivo da melhora da economia e que mais pessoas estão comprando carros. O problema é que nossas cidades ( Salgueiro inclusa ) segue sem ser pensada da forma - sequer - adequadas. Estamos sempre atrás dos problemas, nem do lado ficamos.

A imagem retirada do perfil do economista Ricardo Almeida ( Isto É ) é singular: compara o tamanho da malha de metrô grandes cidades com a nossa maior cidade. É fazer chorar, com certeza. Descartemos Pequim, porque lá é um regime totalitário e que paga os piores salários possíveis, sem direito trabalhista. Foquemos então a milenar Londres. Ou a capital do mundo, a Big Apple, que é ladeada de água por quase todos os lados. E até mesmo Tóquio. A Cidade do México, que não aparece na imagem, tem mais que o dobro de Sampa. 

Fica clara a nossa incompetência. E São Paulo que passa vergonha comparada com grandes cidades do mundo, é a que - de longe - tem a maior malha do Brasil. Recife, a segunda, tem pouco mais de um terço. Salvador tem 0km, após mais de 20 anos de lançado. 

É para se pensar. Com certeza...